O que são as Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC’s)?

Conheça as plantas que estão sendo descobertas e podem inovar a alimentação do século XXI

Quando falamos sobre produção de alimentos e agricultura, não podemos deixar de analisar qual foi o caminho percorrido por este alimento, desde a plantação das sementes até a sua colheita. Ao analisar os impactos ambientais causados pela agricultura, dentre estes, a alta emissão de gases das máquinas agrícolas e o uso consideravelmente alto de agrotóxicos, muito tem se destacado a preferência por alimentos orgânicos.

Recentemente alvos de uma campanha favorável no Ministério da Agricultura, os alimentos orgânicos são classificados como todos aqueles que utilizam técnicas de produção que visam minimizar os impactos no meio ambiente e aumentar a qualidade do alimento.

É bastante notável que o consumo de alimentos orgânicos contribui beneficamente tanto para a saúde quanto para o meio ambiente. A única desvantagem quanto a este tipo de alimento está em seu custo visto que são produzidos em menor escala e os seus cuidados e custos de produção são maiores, o que reflete nos bolsos dos consumidores.

Uma alternativa econômica para o consumo de alimentos mais ecológicos se dá através de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs), que como o nome já diz, são plantas não cultivadas pela agricultura tradicional. Essas plantas comumente chamadas por nós de “matinho” correspondem a cerca de 350 espécies espalhadas pelo Brasil.

São consideradas ecológicas por serem mais resistentes que plantas da agricultura tradicional, o que dispensa o uso de agrotóxicos e adubos, por crescerem em locais inóspitos com solo pobre. Contudo, não se recomenda comer espécies oriundas de canteiros de ruas muito movimentadas, pois podem conter poluentes adsorvidos

As PANC’s certamente são estranhas na mesa da grande maioria dos brasileiros, mas já é bastante usada no cardápio de alguns chefes de cozinha brasileiros bastante renomados, como Alex Atala, Helena Rizzo e Ivan Ralston. Sendo de fácil preparo, conheça algumas PANC’s para aumentar o seu repertório alimentar

1)    Ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata)

Pertencente à família Cactaceae, é conhecida como “carne vegetal” pelo seu alto teor de proteínas. Sendo livres de gorduras saturadas (muito encontrada em carnes), a ora-pro-nóbis vem sendo bastante usada na culinária vegetariana e vegana, crua em forma da salada, refogada ou adicionada em panificações

Resultado de imagem para ora pro nobis

2)    Peixinho da horta (Stachys byzantina)

De aparência similar a sálvia, é uma planta ornamental bastante resistente. Suas estacas são facilmente propagadas, e pode ser consumida empanada ou à milanesa.

Resultado de imagem para peixinho da horta

3)    Capuchinha (Tropaeolum majus)

Rica em beta caroteno e vitamina C, suas flores são consumidas como salada. Muito utilizada na medicina natural, suas folhas também podem ser utilizadas como chá no tratamento de infecções urinárias, devido suas propriedades diuréticas.

Resultado de imagem para capuchinha

4) Beldroegão (Talinum paniculatum)

Também conhecido como major-gomes, o beldroegão é uma das PANCs mais comuns. Suas folhas são consumidas cruas ou refogadas, e suas sementes são utilizadas para substituir o gergelim em pães.

Resultado de imagem para beldroegao

5) Taioba (Xanthosoma sagittifolium)

Rica em vitamina A, ferro, potássio e manganês, a taioba é encontrada em quase todo o território brasileiro. Suas folhas são bastante utilizadas em refogados e como ingrediente para pratos exóticos. Sendo mais utilizado em outros países, seus rizomas são ricos em carboidrato.

Resultado de imagem para taioba

Além das plantas citadas acima, no Brasil existem muitas outras espécies de plantas cujas partes possuem algum teor alimentício. Contudo, para cair na mesa das famílias brasileiras, é necessário que haja uma divulgação maior desses alimentos.

Uma alternativa para familiarizar as pessoas a consumir PANCs pode ser feita através de projetos de Educação Ambiental. Para isso, a Ecoalize realiza serviços de Educação Ambiental para os mais diversos públicos, entre em contato conosco. 

Escrito por: Eduardo Henrique – Graduando de Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá e Assessor de Marketing da ECOALIZE